quinta-feira, 1 de junho de 2017

ERA PARA DEVOLVER A CRIANÇA, SE FAZ FAVOR.

Ainda a propósito do Dia Mundial da criança, por assim dizer.
Segundo informação do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social em cerca de um ano foram devolvidas às instituições ou famílias de acolhimento 43 crianças que tinham iniciado o processo de adopção. Destas crianças, duas têm problemas graves de saúde, seis revelam “problemas ligeiros” e as restantes sem problemas desta natureza. Das 43 crianças, 20 tinham até dois anos de idade.
Já aqui tenho abordado esta questão. Na verdade, os casos de “devolução" de crianças em processo de adopção são mais numerosos do que se imagina e por vezes em processos incompreensíveis, sobretudo se escrutinadas pelo “superior interesse da criança”.
Nos últimos anos registaram-se mais de 100 casos de crianças que foram devolvidas, isto é, viram o seu processo de adopção interrompido. Muitas destas situações deveram-se ao facto de as crianças "não corresponderem às expectativas" das famílias adoptantes.
Vejamos com mais atenção. Uma criança, por qualquer razão não tem uma família, está numa instituição, envolve-se num processo de adopção, entra numa família que entende passar a ser a SUA família, deve sentir-se num caminho bonito. Passado algum tempo é devolvida, provavelmente, sem perceber porquê e vive uma, certamente mais uma, experiência devastadora com efeitos que não podem deixar de ser significativos.
Como é evidente, admito que em circunstâncias excepcionais o processo possa ser interrompido mas, insisto, só mesmo numa situação limite depois de esgotados os dispositivos de apoio às famílias adoptantes.
A lei permite, não sei se terá sido alterada, que durante seis meses a criança possa ser devolvida, trata-se de um período de adaptação, uma espécie de contrato à experiência. O Juiz Armando Leandro presidente da Comissão Nacional de Protecção de Crianças e Jovens em Risco, reconhecia há algum tempo que a devolução não tem de ser baseada em "critérios necessariamente válidos". Também há algum tempo num trabalho sobre o mesmo tema, o DN citava um caso em que uma criança foi devolvida e trocada por outra porque não se adaptava ao cão da família. Outros casos de devolução envolvem dificuldades de adaptação a outros elementos da família ou a questões económicas.
Como é de prever, os serviços procuram de diferentes formas na fase pré-adopção prevenir situações deste tipo, embora eles continuem a ocorrer.
Voltando ao tão apregoado "superior interesse a criança", é difícil imaginar o que se passará na cabeça de um miúdo que passa anos a construir uma ideia de família, a certa altura entra numa família a que chama sua e de repente dizem-lhe que volta a estar só, na instituição, porque ... não se dá bem com o cão ou não corresponde às expectativas. Que sentirá a criança?
Porquê? Não presta? Não a querem? ...
Mas as crianças, Senhores?

5 comentários:

não sei quem sou... disse...

Não sei como funciona, mas família que devolve uma criança ainda fica com a possibilidade de avançar com outra adopção ?

A consciência das pessoas não carrega para o resto da vida com esse acto desprezível ?

As crianças adoptadas têm problemas de saúde ou de outra ordem ?

Se fossem filhos biológicos também não poderiam ter "defeito" ?! Neste caso deitavam-nas fora ?!

Não têm consciência do mal que fazem para o resto da vida das crianças ?

Para mim pior do que não adoptar, quando se quer e não se pode ter filhos biológicos é devolver!!!


VIVA!

Zé Morgado disse...

Em todo o caso é uma situação complexa pois é necessário acautelar casos extremos em que as coisas não corram bem e criança vai ficar mal. A questão como evitar situações destaso que na prática é quase impossível e sobra sempre para os mais vulneráveis, os putos.

não sei quem sou... disse...

O que me leva concluir que o processo é mal conduzido a montante. O escrutínio feito ás famílias adoptantes sobre as condições para adoptar determinada criança devem estar feridas de falta de prudência.

O problema é que toda a gente quer ter filhos com saúde, altos, louros , olhos azuis e muito inteligentes.

E os outros, deuses inexistentes ??!! VÃO PARA A RECICLAGEM ??


VIVA!

não sei quem sou... disse...

Na selva, no reino dos irracionais, os mais fracos são os primeiros a serem acolhidos e protegidos.

Viva a humanidade!!!


VIVA!

Helena Torrão disse...

Concordo consigo inteiramente Prof.!
E as crianças???
O sistema está feito para se retroalimentar. Declaradamente.